O Exercício da Psicologia sob a ótica Analítico-Comportamental

A palavra “psicologia” deriva das palavras gregas psyché (alma, espírito) e logos (estudo, compreensão), portanto a psicologia estaria encarregada do estudo da alma, de compreender a existência humana.  De acordo com a concepção teórica que norteará a atuação do psicólogo, a psicologia poderá ser exercida de diferentes formas. No presente texto, pretende-se discutir a concepção teórica utilizada pelos psicólogos da equipe, intitulada Análise do Comportamento, que tem como filosofia o behaviorismo radical proposto por Skinner (1970).

A Análise do Comportamento compreende a existência humana a partir do comportamento humano, definido como a interação do ambiente com o organismo. Essa perspectiva abole a explicação de sentimento como causa do comportamento, ou instâncias mentais como mediadoras do comportamento, possuindo uma visão monista e naturalista do homem e do mundo.

Assim como Freud deu uma noção abrangente para a sexualidade, não se limitando apenas aos órgãos genitais, Skinner fez o mesmo em relação ao comportamento, descrevendo-o como uma relação entre as atividades do organismo (respostas) e eventos ambientais (estímulos). Muitas vezes essas respostas não são facilmente identificadas, entretanto, tal dificuldade não é critério para falar de sua existência, pois a atividade do indivíduo envolve respostas manifestas (observadas por mais de um observador) e respostas encobertas (observadas apenas pelo organismo que está se comportando); já o ambiente pode ser físico, social, público ou privado. Skinner considera o sujeito como parte do seu ambiente, pois o ambiente age sobre o sujeito, modificando-o, e o sujeito age sobre o ambiente, também o modificando. Assim, por meio dessas relações, a história de vida do sujeito é construída.

Skinner postulou o modelo de causalidade por meio dos processos de variação e seleção e do modelo de seleção por consequências – seguindo a teoria Darwinista embasada no conceito de adaptação ao ambiente. O princípio fundamental desse modelo consiste no pressuposto de que, uma vez que existam variações, consequências poderão proporcionar sua seleção, ou seja, antes da seleção de uma resposta, houve uma variação de respostas anteriores, e, então, ocorreu a seleção de respostas que obtiveram uma consequência que foi mais adaptativa à alguma necessidade.

O modelo de seleção por consequências opera em três níveis:
– Filogênese – história da espécie (relacionadas com sobrevivência e reprodução);
– História de vida do indivíduo (relacionadas à história individual);
– Cultura – história de vida de um grupo e suas práticas.

Muitos, ao criticar leigamente a Análise do Comportamento, dizem que a mesma não acredita em sentimentos ou na mente humana. O que ocorre é que, diferente do método psicanalítico, a psicologia comportamental se utiliza do método científico. O que define a ciência é o fato de ser plausível a observação e descrição, poder ser replicada e possivelmente ter um caráter de previsão e controle. Skinner nunca negou a existência de processos mentais, mas afirmou que eles simplesmente não são passíveis de mensuração direta. Com isso, eles respondem as mesmas leis que regem os comportamentos manifestos, pois, pensar nada mais é do que uma relação entre o organismo e o ambiente, porém uma relação que pode ser observada apenas por quem está se comportando.

O “mundo privado” (entendido por nós como eventos encobertos) não pode ser observado por mais de uma pessoa, mesmo que outras estejam presentes. Certamente, essa não é uma posição satisfatória cientificamente, pois a maneira como as pessoas se sentem é tão importante quanto o que elas fazem.

Tipo de ação sensorial, assim como ver e ouvir, o que sentimos é uma condição do nosso corpo composta por um conjunto de ações. A partir da observação de situações manifestas (por exemplo, uma criança caindo no chão), nossa comunidade verbal (um adulto) nomeia os eventos internos que supostamente estão ocorrendo no organismo do outro (dor) e, assim, inferindo a existência destes eventos encobertos e os nomeando (perguntando à criança se está doendo, se machucou), ensina-a a nomear o que está sentindo.

Sensorialmente sabemos o que estamos sentindo, pois existem condições corporais ocorrendo e porque pessoas nos ensinaram a nomeá-los e descrevê-los. No entanto, sendo o sentimento um estado corporal e um evento privado, e porque eventos públicos e privados raras vezes coincidem de maneira exata, Skinner diz que palavras que designam sentimentos não são ensinadas com tanto sucesso quanto palavras que designam objetos.

Outro aspecto importante é o de que sempre nos foi dito que nos comportamos de uma dada maneira por causa de nossos sentimentos. É fácil confundir o que sentimos como uma causa, porque nós o sentimos enquanto estamos nos comportando ou até mesmo antes de nos comportarmos, mas os eventos que são de fato responsáveis pelo que fazemos se encontram na história do indivíduo e nas relações presentes entre o organismo e o ambiente. A Análise do Comportamento favorece a compreensão dos sentimentos por esclarecer os papéis dos ambientes, do passado e do presente, considerando cada sujeito único, sendo “moldado” por suas experiências.

O terapeuta comportamental não descarta a existência de sentimentos, apenas não os vê como causa de comportamentos, e sim, como função da interação do organismo com o ambiente. Os analistas do comportamento entendem que os comportamentos do indivíduo possuem função em seu repertório, respondendo a estímulos previamente selecionados de acordo com as consequências obtidas. Eles buscam, portanto, compreender quais seriam as variáveis das quais o comportamento é função (Sampaio, 2005).

Mas, e quanto ao inconsciente?  Para a psicologia comportamental, comportar-se de maneira inconsciente é, na verdade, não estar consciente do comportamento enquanto todo; é não estar ciente do porquê do comportamento ou de que o comportamento é função, nem dos estímulos anteriores as respostas nem das suas consequências. Segundo Skinner (apud Guimarães, 2003): “É, portanto, não poder descrever as relações funcionais entre contexto e comportamento. ”. Sendo assim, o terapeuta comportamental buscará entender, pelo relato verbal e observações clínicas, qual é a história do indivíduo e quais são as interações relevantes entre organismo e ambiente que explicam o agir, para que o exercício terapêutico continue a ocorrer sob a perspectiva analítico-comportamental.

Referências

Guimarães, R. P. (2003). Deixando o preconceito de lado e entendendo o Behaviorismo Radical.Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, 23(3), 60-67.

Sampaio, A. A. S. (2005). Skinner: sobre ciência e comportamento humano. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, 25(3), 370-383.

Skinner, B. F. (1970/1953). Ciência e Comportamento humano. Brasília: Ed. UnB/FUNBEC.

compartilhar

Share on whatsapp
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print

EQUIPE AT ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO & SERVIÇOS DE PSICOLOGIA LTDA - CRP 06/6598/J

Desenvolvido por Espaço Comunicação. Copyright 2020 © Equipe AT Acompanhamento Terapêutico & Serviços de Psicologia Ltda (CRP 06/6598/J). Todos os direitos reservados.

Envie um WhatsApp!